PARA INICIANTES – A COR DO VINHO TINTO.

21.12.2017

Título

 

Da classe de vinhos tranquilos (vinhos tintos, brancos e rosés) é bem provável que os tintos sejam os mais consumidos em todo o mundo. Mas será que vinhos tintos advém de uvas com a polpa tinta?

 

A resposta é que na maioria quase absoluta, não. As uvas em geral tem a sua polpa incolor e o que irá dar cor aos vinhos são os pigmentos da casca da uva. Assim, cores como Rubi, violáceo e púrpura advém da casca da uva tinta. Quando o vinho tinto está sendo fermentado a temperatura do tanque aumenta, fazendo com que a cor solte das cascas e vá gradativamente tingindo o líquido. Por isso é necessário sempre estar misturando o liquido com as cascas para a cor se tornar homogênea dentro do tanque.

 

Uma curiosidade é que cada tipo de uva tem espessura diferente de casca. Desta forma oferecem colorações diferentes para os vinhos tintos. Um exemplo bem prático: Se pegarmos uma taça do vinho feito da uva Pinot Noir, cuja casca é mais fina, provavelmente a coloração será mais tênue do que a de um vinho feito da uva Malbec, que possui uma casca mais espessa. Mas essa diferença não se restringe ao visual, será percebida, também, no corpo do vinho. Assim, vinhos de Pinot Noir tendem a ser mais leves na boca do que os vinhos de Malbec, considerados mais encorpados.

 

Existem milhares de uvas tintas. As mais conhecidas são as chamadas castas internacionais que estão presentes em quase todas as zonas vinícolas do planeta.

 

A Cabernet Sauvignon talvez seja a grande rainha das uvas tintas. Nasceu do cruzamento de outras duas castas a tinta Cabernet Franc e da branca Sauvignon Blanc. Gosta de calor, possui uma casca bem espessa e quando bem madura traz notas de frutas negras exuberantes. Quando cultivada em zonas mais frias as notas herbáceas acabam por se destacar.

 

A Merlot é uma uva que tem baixo rendimento, traz em sua essência aromas como ameixa, amora e cereja negra. Tem bom desenvolvimento em várias regiões vinícolas mundo a fora e das tintas no Brasil atualmente é a que vem fazendo vinhos de grande destaque.

 

A Pinot Noir é uma uva muito antiga, cultivada sistemicamente pelos monges que habitaram a região da Borgonha séculos atrás. Sua pele fina oferece pouca coloração tendendo a tons de vermelho claro. Geralmente de boa acidez tem nas frutas vermelhas seu alicerce de aromas. Dentre as uvas tintas é apelidada pelos especialistas como “Suco de Solo”, pois expressa muito das características e da tipicidade do local onde é cultivada.

 

Por último, das uvas tintas internacionais, a Syrah que também pode ser chamada de Shiraz. Tem sua origem associada a região do Rhône na França. Seus vinhos são bem aromáticos, possuindo média acidez e aromas de especiarias, com destaque para pimenta-do-reino.

 

Agora que já conhecemos algumas das uvas tintas internacionais, que tal buscar vinhos compostos por estas uvas. E assim começar a descobrir um mundo de sabores e aromas do qual ao entrar, não mais sairá.

 

Um brinde as uvas tintas e seus filhos, os vinhos tintos.

 

William Máximo.

Sommelier Enoteca Decanter Londrina.

Especialista em vinhos pela Wine & Spirit Education Trust.

 

 

Compartilhar


Veja também

Post

PARA INICIANTES – A COR DO VINHO TINTO.

Post

ZIDARICH O SANGUE DO CARSO.


Próximo post Início Post anterior
Arquivo Selecione um mês

Abrir no Google Maps

Decanter @ 2015 todos os direitos reservados